quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Tudo Passa...



Hoje já não me zango contigo. Talvez apenas por momentos, mas depois passa. Tudo passa. Somos homens e mulheres diferentes e daí os amuos e as raivas, o encantamento e os abraços também.
Tudo passa... Passa o tempo, passa a vida mais cedo para uns do que para outros e, também nos zangamos com isso. Seria melhor uma vida a correr e, num instante, a idade, mais do que tudo, lembrar-nos que o fim se aproxima. Como um coto de vela muito usada quase sem pavio, um sopro que se apaga quando a vida já é frágil e os corpos têm de se despedir de outros corpos. Como um Verão que passa a Inverno sem nos recordarmos que tivemos um Outono pelo meio. Zangamo-nos mas aceita-se mais facilmente.
Tudo passa... A tristeza dos que ficam também vai passar, é como um luto que não é bem-vindo, mas é inevitável. Parece que a tristeza é contraditoriamente necessária, purga-nos do riso fácil e estúpido e, por vezes serve para nos lembrar como é bom alegrarmo-nos com as coisas verdadeiramente boas. Festejar a nossa vida, por exemplo.

Hoje, apenas me apetece dizer que Agosto não é tempo para ficar triste, nem doente e muito menos uma época para morrer às pressas. Parece que se enterra fruta madura.







Stone Roberts- Paintings & Drawings
Pesquisa Google



Com carinho
Mz

16 comentários:

✿ chica disse...

Lindíssimo teu sentir. Agosto nem Setembros, outubros,são bons pra morres sem ter vivido... Precisamos saudar a vida que há...E, realmente tudo passa...o tempo bom, o ruim, mas a vida segue...beijos,chica

Brown Eyes disse...

MZ tudo passa ou não. Quantas vezes pensamos que passa e fica uma sementinha que mais tarde se agigantesca e acaba por nos minar por completo. Beijinhos

Carolina Tavares disse...

Lindas peras. ¨Parece que se enterra fruta madura.¨

Um abraço afetuoso.

Mz disse...

Tens razão Chica.
Obrigada,
Bjs

Mz disse...

Brown Eyes,
eu prefiro que não se alimentem sementinhas dessas. Não lhes dou água :)

beijinhos

Mz disse...

Carolina,
já imaginaste enterrá-las assim com todo este esplendor?

Um abraço para ti também.

Nita disse...

Olá:

Belissimo poema.

Um beijo.

Nita

pinguim disse...

Agosto ainda não é tempo de olhar para o passado; lá por daqui a um mês, sim, é tempo de começar a ajustar contas com um Verão malandreco que a pouca gente agradou.

Eva Gonçalves disse...

Tens razão. Parece que a infelicidade é precisa para darmos valor à felicidade quando a temos... como em tudo, é necessário esse´contra-peso. E tudo passa realmente, não fossemos nós, como os ciclos na natureza e o planeta e tudo à nossa volta, feitos de carbono... o pó das estrelas comum a tudo que passa... Acredito piamente, que Deus nunca nos dá mais fardo do que aquele que conseguimos carregar... lembra-te disso Mary! Carregamos... e estamos vivos, e se quismos, sorrimos na mesma... (ou não). :) Beijos às duas.

Lilá(s) disse...

Ainda bem que aqui passei, ainda é tempo de acordar e viver com alegria os ultimos dias de Agosto.
Beijos

Mz disse...

Nita,
Uma reflexão. Um texto.
Obrigada

Mz disse...

Pinguim,
valha-nos a fruta madura!
:)

Mz disse...

Eva G.
o equilibrio... sem ele descambamos!

Bjs

Mz disse...

Lilás,
os de Agosto, Setembro, Outubro e Inverno... não nos podemos esquecer do sol de Inverno, tão bommmmmmmmmm!

Bjs

Johnny disse...

Agosto ou Setembro, vida ou morte, 8 ou 80 importa apenas deixar as nossas marcas, nem que seja à força... Hão-de lembrar-se de mim para sempre, nem que seja pelo mal! E viver assim.

Mz disse...

Johnny à nossa maneira ou à força das circunstâncias a maior parte das vezes. Acima de tudo e principalmente, VIVER.