domingo, 11 de junho de 2017

Fresco agitar

Texto e fotografia,Mz



Os arrozais estão assim; frescos, jovens, tenros, como se o sol não escaldasse ontem, como se a terra não chore por água noutros cantos. Aqui, ainda madrugada, nesta hora já dia de sinos quietos, a claridade desperta quem dorme sem sobressalto, mansidão quieta num afagar de pernas e almofadas quentes do sono. De andar ligeiro, vim aqui eu, agitar, este branco esvoaçar.