sexta-feira, 26 de maio de 2017

Água lisa ao balcão



Texto e fotografia,Mz



Choveu e limpou o pátio. Ontem pedi que a chuva viesse sem mentira; que  tolice minha, porque a chuva não endromina, e endrominar é um acto de consciência moral que apenas o ser humano possui. A chuva não engana, é um fenómeno da troposfera e, ainda que, a probabilidade de cair chuva seja certa, pode não chegar aqui. São maravilhas, que da ânsia humana, se transformam no paradoxo do querer tudo quando bem queremos, do “sol na eira e chuva no nabal” por isso, não creio que o meu pedido seja atendido como quem pede água fresca, só porque apetece um refresco sem calorias. Água lisa. Mas a chuva veio e parece tudo mais limpo, tudo mais calmo, não se ouve um corvejar, acho até que os corvos, esses gananciosos, esgrouviados ainda estão recolhidos. Aqui, na minha cozinha, neste meu balcão de desejos, partilho esta voz e as rosas mais maravilhosas do quintal que me deslumbraram ontem ao chegar e, também uma estranha contradição de um sentimento egoísta de privar a chuva de as tocar.