sábado, 5 de fevereiro de 2011

Tudo...



Fala-me de tudo se me falares de loucura...
Podes falar-me dos homens e dos bichos e dos objectos estranhos. Das coisas que tens e não te fazem falta. Também da terra com tudo o que está fora e dentro dela. Do visível e do invisível, do ar, da água, das cores e, principalmente dos sabores sem tempero. Fala-me do que sentes e do que não sentes, se te atreveres. Do que queres e não tens e, do que renegas sem piedade. Fala-me da solidão que te põe louca. Conta-me dos vivos e até dos mortos que já não fazem mal a ninguém. Do que existe e, do que já foi sem mesmo saber que existiu. Escuta os loucos que falam do que está para chegar e, também serás louca se acreditares.
Se não souberes da loucura, procura-a inconsciente. Procura-a doce e proibida. E depois, depois... amarga só.





Escrito para Fábrica de Letras
Tema: Loucura



Fotografia de Diário de Lisboa 




Com carinho
Mz