sexta-feira, 15 de junho de 2018

Voar com as asas de Andorinha

Texto e fotografia,mz




Aguardávamos ansiosos num desassossego triste, numa inquietação irremediavelmente cinzenta, confusão que complica a vida, que baralha a esperança - controversa Primavera - são proibidos sonhos escondidos e biombos misteriosos na alma; aguardávamos esta Primavera, esta do chilrear ao sol. Abrimos agora o peito, e na seda de um robe exótico, deslizam suaves os voos das andorinhas.

Andorinha-das-chaminés,
(hirundo rustica)

quinta-feira, 7 de junho de 2018

Tanta Asa nesse Voo.


Texto e fotografia,mz



Traçando o céu, um voo de bando livre
Airosas, rasgando o vento frio deste Junho,
Tanta asa, tanta asa nesse voo.

Serenas de peito branco, como brancas as espumas,
E na soltura da vaga, tanto mar, tanto frio deste Junho.
Tanta asa, tanta asa nesse voo.



No chão de areia, a macieza, o repouso,
Sobejo de sal como se fosse colo, como se fosse casa.
Desaparece assim, asinha, este frio mês de Junho.

Tanta asa, tanta asa nesse voo.