domingo, 28 de março de 2010

DESTINO


Voltou para casa.

Trouxe no bolso a morfina que lhe vai acalmar a dor.
Pede que se turvem os contornos do seu corpo. Que desapareçam todos os espelhos para que não se reveja num corpo que já não reconhece.
Prefere um corpo à contra-luz.
Se pudesse voltar atrás... um só dia... sem cancro.
Quem lhe acalmará a dor da incerteza de viver amanhã?
Como será sentir a morte quando é Primavera?
Dói-lhe toda esta contradição.
Dói-lhe todo este sol, embora seja o que mais quer na sua vida...
Ontem, disse-me que ia enviar um e-mail ao António Feio e pediu-me para  ver e divulgar a mensagem do vídeo Contra Luz.


VIVAM!
Cris já não pode fazer inversão de marcha...




(Fotografia de: Pedro Noel da Luz)




Com carinho
Mz

23 comentários:

pinguim disse...

Custa-me tanto ler um post assim: quanta tristeza, mina amiga, e a impossibilidade de ajudar a não ser com a Amizade...

Olga disse...

Força à Chris e que Deus lhe dê toda a que precisar para carregar esse fardo tão pesado. Dizem que não devemos pedir a Deus que nos tire o fardo mas que nos dê forças para o carregar, mas isso é no que nos diz respeito. Aos outros podemos sempre desejar o melhor e que o fardo lhe seja retirado. Eu desejo! As melhoras! Beijinhos.

Brown Eyes disse...

MZ eu acredito SEMPRE, até que chegue o fim. Enquanto há vida há esperança, o que é preciso é que ela NUNCA a perca. Acredito sempre num MILAGRE feito pela nossa força, temos muita. É nisso que vou acreditar para a Cris. Beijinhos para ela e para ti.

papoila disse...

MZ,
Já está em casa. Ainda bem. Vai ser melhor estar acompanhada e quem sabe se não encontra uma Força que ela própria desconhece...
Enquanto há vida há esperança.
Vamos rezar para que tudo seja da melhor maneira possível.
beijinhos.

A Magia da Noite disse...

a vida é assim, leva-nos ao abismo e mostra-nos o que temos de atravessar...

MZ disse...

Pinguim;
não seria justo eu não falar da Cris no meu blogue. É da minha família, está quase a 300Km de distância de mim e não há um único dia em que não pense nela e em todo o seu sofrimento.

A sua visita, o seu comentário e a palavra AMIZADE é o melhor apoio que podemos ter.
A blogosfera é assim, incondicional...
muito obrigada.

Um beijo grande!

MZ disse...

Olga;
ela bem precisa de TODA a FORÇA... tememos que a medicina já não possa fazer mais... infelizmente.

Obrigada pelas tuas palavras de apoio.
beijinhos também para ti

MZ disse...

Brown Eyes;
acreditar... acreditar... até que as forças e a esperança se esgotem. Como já não pode voltar a trás o futuro é dar-lhe a melhor qualidade de vida até ao fim.
Muito obrigada pelo teu carinho.
beijinho

MZ disse...

Sim Papoilita,
agora, em casa está mais confortável.
Tem o carinho de quem a rodeia, tem a morfina, e tem a seu lado uma mulher que sem verter uma lágrima a embala como se ela voltasse a ser novamente a sua bébé; a MÃe!
obrigada querida amiga.
beijinho para ti também

MZ disse...

a Magia da Noite,
o "abismo" pode levar-nos a tantas divagações... neste caso, enquadra-se na perfeição!

muito obrigada pela tua visita e pelo comentário.
(vou ler-te)

Melga disse...

A inversão de marcha é a recusa da vida, viver é ir até ao fim, viver é amar e sofrer, viver é sentir, viver é ter e possuir, viver é perder e desejar, viver é sempre ir em frente...na companhia de alguem mesmo que se chame Morfina, esteja ela presente qundo dela precisarmos...é duro, custa a quem ama, mas viver é isso.
Fracos os que desistem, acompanho-te no sentimento da dor e que o futuro nos sorria com uma dor diferente mas sempre no sentido da vida - o Além.

MZ disse...

Melga;
tu que és enfermeiro sabes bem o que significa quando se chega à toma dessa substância... mais forte do que isso já não existe, penso eu.

Obrigada pelas tuas palavras.
bjs

Diário de Lisboa disse...

Emocionante e triste, tão triste. Que dizer...também já tive duas pessoas tão mas tão próximas que também voltaram para casa...
Beijinhos e coragem,para a Cris e para quem está a volta.
MZ , obrigado.

Diário de Lisboa disse...

Mz,há pouco deixei um comentário um pouco péssimista ,embora não tivesse sido essa a minha intenção.Mas esta coisa desta doença mexe muito comigo.
Vou deixar um exemplo bem mais positivo que se passou com uma dessas pessoas, que por fim anos mais tarde vieram para casa.Muitas outros poderia contar, das duas , de coragem , de valentia.

Uma delas foi um dia a Palhavã, imagino que com um medo enorme que depois se concretizou, deram-lhe pouco tempo de vida e 10 por cento de ter algum sucesso numa operação até a data pouco usual, agarrou-se de tal forma esses dez por cento que ainda viveu 15 anos,agarrou-se com garra, com uma coragem e um optimismo imenso e acabou por ser um exemplo para muitos outros.reaprendeu a viver com as marcas que ficaram, reaprendeu a falar, nunca o vi desanimado,nem no final,quando já sabia que nada havia a fazer.Sei que já parece tarde, mas há sempre uma esperança.
Beijinhos.

Helga disse...

Que aperto no peito, MZ. Falham-me as palavras. Deus e eu não somos propriamente os melhores amigos, por isso não lhe peço que ouça a minha oração, mas sim que ouça as muitas orações que neste momento intercedem pela Cris.

Vi o video do António Feio que falas. Deixou-me igualmente com um nó na garganta. A dor da certeza de ver o fim anunciado, não deve ter palavras que a descrevam.

Um beijinho :)

MZ disse...

Diário de Lisboa,
agradeço a sua preocupação, mas não senti que o seu comentário fosse pessimista. Pelo contrário, agradeço as suas palavras. Agradeço ter vindo e ter deixado o seu testemunho.

Todos temos de voltar para casa ou para qualquer outro lado perante uma adversidade deste género.

A Cris voltou para casa e ainda lá está. Ela sabe que o nódulo maligno de 3,5cm agarrado à cabeça do pancreas não diminui nem um bocadinho após meses de rádio e químio-terapia.
Ela sabe que não há operação possível porque a veia aorta passa coladinha à cabeça do pâncreas onde está o nódulo(tumor).
Ela sabe tudo porque a equipa que a operou a primeira vez (sem nada poderem fazer)não lhe escondeu nada como foi sempre a sua vontade.
À duas semanas a trás foi internada com retenção de líquidos na pleura, fez transfusões de sangue, dormiu com oxigénio... e voltou para casa com morfina.
Ela é forte, sempre foi... e no fundo, bem lá no fundo, ainda tem esperança. Todos temos.

Diário, não deixe de se expressar quando tem algo para partilhar, mesmo que o que tiver para contar não seja o que queremos ouvir. Existem sempre formas de contornarmos a realidade sem magoar. E a vida não é só sol, nem flores, todos sabemos isso.

Agora, vamos aproveitar o que a vida tem de melhor.
Muito obrigada pelo seu carinho.
beijinhos

MZ disse...

Helga,
as tuas palavras só por si já são uma oração...
muito obrigada.

obrigada pelo carinho e pelo sorriso
beijinhos

Melga disse...

Mais fortes que o cancro e a Morfina...somos nós na nossa existência enquanto assumirmos a luta face à doença, sem dúvida alguma uma luta desigual.
*

Anónimo disse...

nao deixei de reparar nos teus ávidos comentarios no diario de lisboa, sempre com a mesma pergunta, por isso.. nao sei se alguem ja respondeu mas de qualquer maneira irei dar a minha opiniao pessoal, visto que nao sou nenhum designer de moda ou algo parecido nem sequer tenho barba (apesar de querer ter bigode)

sim, pessoalmente acho que o bigode está no moda. assim, como a combinação entre barba por fazer e bigode, e bigodes simples, assim como certamente estás farta de ver nas fotografias do diarios liboeta


miguel

MZ disse...

Melga,
não sei se seremos nós os mais fortes... chega uma altura que a dor vence-nos definitivamente.

muito obrigada

MZ disse...

Anónimo (Miguel)
Por acaso a minha curiosidade em saber se o bigode estava na moda era muita. Se duas perguntas é ser-se ávido, então que seja... o que importa é que alguém se interessou em me responder.
aqui todos(as) são bem-vindos pena que a resposta não tenha sido dada lá no "Diário de Lisboa"
O post que eu aqui deixei "Destino" não merecia uma observação deste tipo, mas aceitei-o independentemente de ser anónimo ou anónima.

Sara disse...

Olá amiga,

Ando sem tempo para nada mas hoje consegui arranjar um tempinho para visitar quem gosto e deparei-me logo com este triste e trágico post.

Fiquei sem palavras. É de uma tristeza avassaladora e nada podemos fazer contra estes factos.

Só podemos deixar uma palavra amiga e parece que nem ela é suficiente :(

Para a Cris desejo muita força e envia-lhe por mi aquele abraço. De uma desconhecida é certo mas acredita que muito sentido.

Se existe destino, ele não é sempre justo...

Bjs

MZ disse...

Sara,
o estado da Cris está muito, muito difícil.
Muito obrigada pelo apoio.

bjo