terça-feira, 3 de novembro de 2009

Culto


Todos os sábados desde que me recordo de ser gente que as vejo,
descem a rua da aldeia a pé ou de bicicleta.
São mulheres simples que abraçam orgulhosamente as flores que plantam, que cuidam e que crescem nos seus quintais. As flores são para cortar e para oferecer aos que já partiram...
Da terra para o pó.
Novembro inicia-se com o culto dos mortos.
Mais uma vez eu não estive presente.
As distâncias, sempre as distâncias!
Recordo todos os momentos com a minha memória que não me falha
e vejo-as ali...
Parecem soldados agrupados em filas quase perfeitas e rigorosamente vestidas de festa.
Assim estão elas, as pedras frias em maior número de mármore preto ou branco
Neste dia, lavadas, enfeitadas, perfumadas de flores e com o brilho de pequenas chamas que luzem em pleno dia.
Eles, os que já partiram guardo-os aqui bem dentro do meu coração.




(Imagem: Google)



com carinho
MZ

8 comentários:

Sara disse...

As flores são uma forma que a natureza arranjou para dar cor às nossas vidas, muitas vezes tão difíceis. São manifestações de alegria, amor, de votos de melhoras ou de felicidade, tristeza ou saudade mas a cada sentimento expressam intensidade

Anne Baylor disse...

Só quem planta uma flor, sabe a alegria e todos os outros sentimentos que nos enchem quando ela se abre e quando ela se vai!!!! Eu por exemplo, nessa última semana, vi três girassóis que eu plantei no meu jardim, se abrirem.. E vc sabe a fixação que tenho por eles né.. Nossa!!! E.. Compartilhe com as flores esses sentimentos obtusos que te acometem!! Elas nos entendem bem!!

beijos amore.

Eliane Jany Barbanti disse...

Olá querida AMARZITA !

Participei de um Meme e estou te convidando para participar tb, com direito a selinho e sorteio de um livro.

O link é: http://aptidaofisicaesaude.blogspot.com/2009/11/selinho-um-pouco-de-mim.html
BJS e fique com Deus!

papoila disse...

Na aldeia o dia 1 de Novembro é muito mais "sentido" do que por aqui.
Pelo menos é o que me parece...
Este ano não pudeste estar presente e pareces triste?!?
Embora estejas longe fisicamente, eu acho que no fundo estás sempre LÁ.
beijinhos

Iúri "Zúluri Regueiro" disse...

oi amiga ..espero que nao te arrependas de ler o resto...expriimenta o baquinho e barquinho 2
acho qeu vais gostar

Rafeiro Perfumado disse...

Podes chamar-me de lírico, mas não acho que deva haver um local / data para que possamos falar com quem já partiu. No local está apenas pó, e é à alma que nos dirigimos.

Beijo!

Silvana Nunes .'. disse...

Navegando sem ruma com a intenção de divulgar o meu blog, cheguei até você e gostei do que vi, tanto que pretendo voltar mais vezes. No momento estou impedida de fazer leituras muito extensas, pois a claridade da tela do computador está prejudicando um pouco a minha visão, devo tomar cuidado. Em breve resolverei esse problema. Bem, já que estou aqui aproveito para convidar a conhecer FOI DESSE JEITO QUE EU OUVI DIZER... em http://www.silnunesprof.blogspot.com
Eu como professora e pesquisadora acredito num mundo melhor através do exercício da leitura e enauqnto eu existir, vou lutar para que os meus ideiais não se percam.
Se gostar da minha proposta, siga-me.
Por hoje fico por aqui, Espero nos tornarmos bons amigos.
Que a PAZ e o BEM te acompanhem sempre.
Saudações Florestais !

MZ disse...

Sara,
é verdade...e quanta cor elas dão às nossas vidas!


Anne Baylor,
eu sei simmmmmm...

Beijos

Eliane J. B.
eu passo sim... com tempo vou ver como isso funciona.
Obg por se lembrar de mim.

bjs




Papoila,
na aldeia, para além do culto, é o encontro com a família mais íntima.

beijinhos

Luri "Zúluri Regueiro"
vou ler comcerteza!!!


RAfeiro Perfumado,
Claro que não... também concordo contigo...

beijo!


Silvana Nunes,
bonita luta a sua... passarei por lá!

bjo