sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Janela


Esta não é a minha janela...
eu cuido da minha janela.
Cuido dela com os meus olhos,
com os meus olhos apenas!
Da minha janela,
 vejo sempre alguém
a quem, o meu olhar
retribui a simpatia de um aceno.
Da minha janela, vejo crianças,
elas não são minhas,
mas, o meu olhar cuida-as, 
 protege-as.
Da minha janela, eu vejo flores…
elas dão cor à minha vida
 e o seu perfume,
 desperta-me os sentidos.
A minha janela
 é de pedra e vidro
mas para mim, ela não é física
ela é sentimento
E tu,
mesmo que estejas a meu lado,
nunca vais conseguir ver
 o mesmo que eu vejo,
 da minha janela.

A minha janela é única,
ela é como os meus olhos
e, os meus olhos são aquilo que
Eu Sou!
(imagem Google)


com carinho
MZ

6 comentários:

Rafeiro Perfumado disse...

Eu da minha janela vejo a minha vizinha, mas só quando tenho sorte e ela está distraída... ;)

MZ disse...

:)

Véronique disse...

really love what you do..........

papoila disse...

Gostei da "imagem" de utilizar a janela como lugar de olhar com sentido de proteger....
Dá para entender???
:)

MZ disse...

Olá Papoilita, como tu me entendes!
Não és como o Rafeiro P. que só leva para onde lhe convém... :)

ainda bem que estás de regresso já tinha saudades!

Beijinhos vermelhitos

O mar me encanta completamente... disse...

Poema vivo, onde consegues harmoniosamente
erigir linguagens formais e mais soltas, e onde o
eu-lírico traz a tona toda a tua emoção em imagens
e versos que marcam feito pérolas.
É sem dúvida uma escrita viva e lúcida.

Meu carinho, sempre.