segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Ainda Setembro...


Cresci com Setembro a cheirar a vinho mosto.
Com a adega numa azáfama de pessoas carregando cestos de vime que transbordavam de cachos de uvas negras até o lagar ficar com a medida certa.
Com as mesas improvisadas, onde à hora de almoço se comia substancialmente para repor as energias gastas .
Eram conversas animadas em que o cansaço se desvanecia com a alegria do convívio entre aqueles homens e mulheres que se ofereciam para as vindimas.
Chovesse ou fizesse sol, esperava-os mais cepas retorcidas, mais parras recortadas onde as tesouras procuravam o caule dos cachos de uvas para cortar...
Com um pouco de sorte, também eu ia com eles e ajudava na tarefa. Sempre que alguém encontrava uvas brancas chamavam-me para ser eu (a menina) a cortá-las!
O lagar tinha de ficar pronto para receber à noite os pés dos homens que iriam fazer a pisa.
A noite pertencia aos homens!
Esperava-os uma bacia com água limpa, sabão azul e uma toalha escura onde eles lavavam e limpavam os pés.
Todos os anos era o mesmo ritual.

Há muito tempo que não corto os cachos e não carrego os baldes cheios de uvas maduras.
As minhas mãos já não ficam peganhentas de doçura deste fruto magnífico.

Os anos foram passando, a paisagem alterou-se, as heranças divididas e as vinhas desapareceram para dar lugar a vivendas de família...
As cepas já foram queimadas nas lareiras à alguns anos...
Mas a adega, continua lá... com o lagar, a prensa, os tonéis e as pipas de vários tamanhos

O cheiro a vinho, deu lugar a um cheiro húmido e bafiento e as teias de aranha teimam em fazer ali a sua casa.


(Imagem: Google)



com carinho
MZ

9 comentários:

papoila disse...

Fizeste-me lembrar as minhas férias de antigamente.
Também eu em miúda ia a casa da minha avó nas férias grandes e algumas vezes apanhava as vindimas. Só uma vez pude entrar no lagar e pisar, nunca mais me esqueci.
xx

Eliane Jany Barbanti disse...

Olá querida, parabéns pelo seu blog. É bem interessante!!!Já sou sua seguidora.
Agradeço sua visita ao Fitness e por tornar-se nossa seguidora TB.
Volte sempre!
Beijos de Luz.
Eliane

DocePecado disse...

Como é bom recordar :) eu também tenho lembranças assim , e ainda bem que temos a capacidade de as reavivar na altura certa , querida .... Obrigada pela memória ...

Beijo terno

AnaMar (pseudónimo) disse...

A memória dos odores, que me fizeste recordar, também. A vindima dos afectos. A vida a palpitar.

Um beijo

Rafeiro Perfumado disse...

Fiz esse ritual várias vezes, até se constatar que comprar vinho saía muito mais barato que todo o ritual. E de certas coisas sinto saudade...

Eliane Jany Barbanti disse...

Olá Querida, que bom que gostaram da bola suíça!!! Toda semana temos exercícios com elas, são ótimos e deliciosos para fazer. Vale a pena.
Obrigada pelo comentário.
Bjs.
Eliane

MZ disse...

Papoila,
as minhas recordações sobre a vindima também são da casa do meu avô...

xi

Eliane J.B.
faço desporto regularmente e o seu blog interessa-me bastante!
A bola é optima!

bjs

Doce pecado,
eu adoro recordar as épocas do ano que me marcaram mais e esta era uma delas!

beijo

AnaMar,
é isso mesmo, as memórias dos odores e dos afectos!

um beijo

Rafeiro Perfumado,
tens toda a razão...
Agora, também todos nós compramos o vinho, mas tivemos o previlégio de passar pelo ritual e de guardar a magia desta época com saudade!

beijo

Diário de Lisboa disse...

Nunca tive essas experiências, nasci na cidade. Na Pâscoa , nas festas de familia, sinto sempre uma certa nostalgia quando as pessoas vão para a "terra". Terra essa que não tenho, fora de Lisboa, Cidade de que tanto gosto, onde tenho todas as recordações, e que é de facto a minha "terra".
Neste texto senti os cheiros, as emoções, saudades de algo que nunca vivi.
Obrigado por isso.

MZ disse...

Diário de Lisboa,
Tens a tua "terra" sim...
Lisboa com a sua luz maravilhosa, as suas tradições...

Sempre que publicas uma fotografia estou sempre à espera que me abras mais uma gaveta desta Lisboa que eu conheço tão pouco...

Trocamos sentimentos, cheiros e emoções!

Também te agradeço por isso.