sábado, 12 de setembro de 2015

Vidas que não nos pertencem





Será sempre assim até haver sol, porque depois virá a chuva sem parar e o rasto do triciclo eléctrico atola-se na lama e tudo ficará adiado para não se sabe quando, ou para nunca mais, porque a morte, pode ser já no próximo inverno. Dizem que vai ao encontro da mulher que se conhece, com pouco tino e depois, na folhagem dos eucaliptos, um tonto desejo de velho, despe-lhe o corpo generoso. Não fazem mal um ao outro, nem a ninguém. Tudo fica pelo olhar e neste segredo dos dois, desconhecem que é o segredo de todos. Nos risos estouvados das tascas, o sigilo é espalhado e malcriado nas bocas imundas do falatório. Que humanidade desumana para quem apenas se quer lembrar quando já se esqueceu de como é o corpo de uma mulher.


mz




imagem da ilustradora Rébecca Dautremer
pesquisa google


20 comentários:

Carmem Grinheiro disse...

Olá, Mz
A maldade está nos olhos de quem vê. E de quem não vê, também.

bj amg

mz disse...

Bom dia Carmen,
é uma grande verdade.

Bjs

Isa Lisboa disse...

A humanidade por vezes dá falas desumanas quando não aceita ver felicidade. Mas para quem a sente, é ela que importa, não as palavras que o vento acabará por levar.

Um texto escrito com muita sensibilidade, gostei muito!
Beijinhos

papoila disse...

Segredos...todos julgam que os têm bem guardados :)))
bjs

luisa disse...

Chega a ser comovente imaginá-los.

A Casa Madeira disse...

Belo texto;
Quando a mente é ocupada com coisas salutares;
o falatório fútil e as vezes maldoso se torna sem
importância.
Boa semana.

mz disse...

Isa,
a maldade enche o ego de muitas pessoas.

Beijinhos

mz disse...

Papoile,
o segredo assenta na base do respeito e do livre arbítrio. quando isso falha, falha também o respeito.


Bjs

mz disse...

Luisa,
elevar este comportamento a um nível respeitoso só é possível com muita tolerância.

mz disse...

A Casa Madeira,

torna-se no lado sombrio da humanidade.

Boa semana para si também.

Miss Smile disse...

Quando as pessoas falam dos outros, dizem mais sobre si próprias do que pensam. Um texto escrito com muita sensibilidade.

Um beijinho

mz disse...

Tornar a atitude de outrem em assembleias maldosas apenas para gozo próprio é muito feio. Abomino.

Beijinhos

Agostinho disse...

Os vermes passam a vida a babar-se da vida alheia.

Há pouca esperança que seja diferente, para sempre.

mz disse...

Será sempre assim.

Mar Arável disse...

Sempre uma boa partilha

Bj

Laura Santos disse...

Excelente texto!
A pobre humanidade e os seus problemas de "corpo", gostando de consporcar com palavras e risos cínicos a naturalidade dos outros.
Parabéns, mz, gostei muito!
Boa semana!
xx

mz disse...

Mar Arável,
obrigada,

bjs

mz disse...

Laura,
vidas que não nos pertencem e que com respeito, as contamos para que se conheça mais dos afectos e da humanidade.

Boa semana,
xx

manuela baptista disse...

cantigas de mal dizer...

e muita crueldade da parte de quem, tem apenas inveja


um abraço, Mz

mz disse...

E as cantigas de mal dizer, existem para lá de muitos e muitos anos.

Um abraço também para si, Manuela.