domingo, 1 de dezembro de 2013

Dezembro



A propósito de Dezembro, relembro a bondade dos homens. Não por ser quase natal, mas por causa do meu amigo António que um destes dias me mostrou com orgulho um dos Livros de Caixa que entre outras coisas herdou de seus pais. Juntamente um pesado cofre de quatro pés. Nesse deve e haver, registara o seu pai, todos os movimentos do ano de 1954. Com letras e números mais desenhados do que escritos, ficou o apontamento de que a sua velha e pobre padaria lhe rendera dinheiro suficiente para prosperar. Construíra uma casa nova que lhe custara sessenta e quatro contos e setecentos escudos. Incluindo a nova e  moderna padaria com balcão de atendimento. Na sua inauguração, cozera e distribuíra pão a todos os pobres da aldeia e outros que conhecia. Um dia feliz e solidário descartado da memória, pois a nossa geração nunca ouviu falar deste gesto de bondade salvo nas memórias dos números do livro de razão. Numa visão simplista, digo ao António que podemos concluir que o pão mata a fome e enriquece os homens e o António responde-me com orgulho que ter um pai bondoso não tem preço. 



mz




Imagem: Tela de Armanda Passsos
Anjo do Céu, pesquisa google

16 comentários:

✿ chica disse...

Beleza de lição aqui! Lindo demaios e que essa mensagem ecoe sempre! beijos,chica

Mary Brown disse...

As histórias que aqui deixaste fizeram-me lembrar outras que ouvi. A família cozia todos os domingos uma fornada de pão para os pobres da aldeia. Depois da missa eram abertas as grandes portas da quinta e era posta a mesa. Depois era servida a sopa e o pão. Na mesma família existem ainda agendas antigas onde são anotados todos os gastos até os socos que compravam para os jornaleiros. Há famílias que continuam a guardar essas relíquias e que servem para termos uma noção de como as coisas eram há centenas de anos. Beijinhos

Mz disse...

Chica, é um bom exemplo de bondade numa época muito pobre pela qual Portugal passou.
Hoje, a fome volta a estar presente com a grave crise no sul da Europa. Por aqui, cada vez mais pedidos de ajuda chegam às intituições não governamentais e cada um de nós tem de estar atento aos sinais muitas vezes dissimulados de pobreza envergonhada.

Bjs

Mz disse...

Mary, os tempos eram de muita fome que quem dera que não voltassem, mas as carências estão à nossa porta cada vez mais em grande número.

Bjnhs

Rui Pascoal disse...

(Por falar em pais) Em miúdo achei duas notas de vinte escudos, muito bem dobradinhas, e fui muito contente mostrá-las lá em casa. Perante os meus novos "projetos de investimento" qual foi a reação do meu pai? Além do sermão que me deu, disse-me que esse dinheiro iria para a sopa dos pobres.
Como se pode ver, fiquei sem troco... como agora.

manuela baptista disse...

não tem mesmo preço!

eu diria que é o Livro do Coração

ao António e à Mz um Dezembro feliz

Mz disse...

Rui, o pai teve uma atitude muito nobre, mas aos olhos de qualquer "miúdo" que tem projectos e não tem dinheiro é um estrangular dos sonhos. Essa atitude transforma-se numa espécie de castigo injusto ainda que compreensível.

Ficou sem troco, mas acalenta hoje certamente o consolo de que essa sua perda aconchegou o estômago de alguns pobres.

Mz disse...

Manuela, "Livro do Coração" é lindo!

Um Dezembro feliz para si também.
Abraço

Helga disse...

Lindo Dezembro este.

Laura Santos disse...

No fundo, um texto sobre a bondade. Ser bom é dar aos outros, pão ou carinho, sem exigir nada em troca.
E os tempos voltaram a estar tão difíceis!
Adorei a história do Rui! Se eu tivesse encontrado esse dinheiro na minha infância, ficaria mesmo para nós porque éramos muito pobres...
xx

Mz disse...

Helga, bem vinda de novo! Saudades.

Mz disse...

Laura, o Rui ficou triste no momento, mas hoje de nota-se o orgulho que sente na atitude de seu pai.

xx

Maria Silva disse...

Concordo: ter um pai bondoso não tem preço.

Lilá(s) disse...

Sou uma sortuda, também tive um pai desses...
Bjs

Mz disse...

Maria Silva, muito melhor ainda se a bondade contagiar os descendentes.

Mz disse...

Lilás, é um dom que não atinge todo o ser humano, por isso um bem haja para o teu pai.

Bjs